• SBP Advocacia

Contratos de estágios | prós e contras do home office

Atualizado: Jan 12

Pesquisa do IEL mostra as transformações provocadas pela pandemia nos contratos de estágio

O home office alcançou cerca de 11% dos trabalhadores brasileiros durante a pandemia em 2020, de acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mas esse número poderia ser muito maior. O percentual de pessoas em potencial de teletrabalho é de cerca de 22,7% da população ativa, o que corresponde a 20,8 milhões de indivíduos, segundo outro estudo divulgado pelo Ipea no mês de outubro de 2021.


A possibilidade de contratar pessoas de outras cidades ou estados para o formato remoto beneficia tanto empresas quanto estagiários e profissionais. “Hoje todos estão mais abertos a repensar o formato de trabalho, principalmente em áreas como a de Tecnologia da Informação”, diz Eduardo Vaz - superintendente nacional do IEL.


Transformações positivas

Uma pesquisa feita pelo Instituto Euvaldo Lodi (IEL), entidade que faz parte do Sistema Indústria, com profissionais envolvidos no processo de contratação das empresas e gestores das atividades de estágio das universidades revela que a pandemia acelerou a digitalização de processos e a utilização de ferramentas para o trabalho remoto. Além disso, as empresas e as universidades apontaram mais pontos positivos do que negativos nessa nova maneira de trabalhar.


Contratar o estagiário – desde o processo de entrevista até a assinatura do contrato de forma virtual – ficou muito mais ágil e transparente. O fim das fronteiras geográficas foi apontado como outro fator positivo no levantamento do IEL.


Ainda segundo a pesquisa, o trabalho remoto faz com que os estudantes se organizem melhor entre aulas e trabalho.


As empresas, por sua vez, começaram a identificar a necessidade de treinar os estagiários sobre como usar seu tempo no home office e adquirir habilidades comportamentais a distância, alguns dos maiores desafios desse formato.

"A adoção desses modelos depende da formação e da atividade, mas hoje todos estão mais abertos a repensar o formato de trabalho, principalmente em áreas como a de Tecnologia da Informação", destaca o superintendente nacional do IEL, Eduardo Vaz.

Segundo ele, a instituição tem atuado justamente para atender às transformações da sociedade, auxiliando empresas, universidades e estagiários a se adaptarem às novas demandas provocadas pela pandemia. “Todos nós vínhamos trabalhando sob modelos que foram criados há décadas. Com a pandemia, fomos forçados a nos modernizar, e o que ficou claro é que há muitas possibilidades a serem exploradas”, afirma Vaz.


Lei do Estágio

Para que a nova realidade do estágio passe a ser uma possibilidade permanente, é necessário alterar a Lei nº 11.788/2008, conhecida como Lei do Estágio. Uma nota publicada pelo Ministério Público do Trabalho em março de 2020 autorizou o trabalho remoto para estagiários de maneira temporária, devido à pandemia.


No entanto, o IEL pretende propor mudanças na lei para que ela passe a prever o estágio híbrido, em função das experiências positivas deste último ano.


“A digitalização e os novos modelos adotados fizeram com que o match das empresas com os estagiários também fosse beneficiado, pois ficou mais ágil e assertivo. É nesse caminho que queremos seguir”, pontua Eduardo Vaz.


(fonte: CNI https://noticias.portaldaindustria.com.br/ )

SBP Notícias

Liderança empática leva a uma maior satisfação no trabalho, aponta pesquisa

https://www.sbp.adv.br/post/lideranca-empatica


5 Tendências Globais de Capital Humano de 2021

https://www.sbp.adv.br/post/5-tendencias-globais-de-capital-humano-de-2021


Ganho de Peso e Sedentarismo? Trabalhe de Casa com Qualidade de Vida

https://www.sbp.adv.br/post/ganho-de-peso-e-sedentarismo-trabalhe-de-casa-com-qualidade-de-vida



#SBPadvocacia #advocaciaempresarial #advocaciatrabalhista #empregador #recursoshumanos #gestores #liderança #empreendedor #cni #estagio #mercadodetrabalho #trabalhadores #empregador #executivos #empresario